Conversa Aleatória – Infantilidade é um Elogio…

Eu tenho 23 anos, mas há apenas alguns anos chorei quando minha mãe se livrou dos meus ursos de pelúcia e coleção de conchinhas do mar. Eu adoro filmes de animação e animes japoneses. E só terminei Harry Potter aos 20... e tenho verdadeira aversão a livros de auto-ajuda. Se há uma criança brincando de massinha de modelar, eu vou timidamente sentar do lado e brincar também. Eu quero ter o cabelo colorido, e a coleção completa de bonecas Monster High. Minha paixão é desenhar e tenho ciúmes dos meus lápis de cor. Todas as pelúcias que me restam tem nome...e sobrenome! Meu programa de sábado a noite é jogar videogame, eu tomo leite com Nescau e gelo batido no liquidificador, porque é muito mais gostoso. E eu e minha irmã ainda fazemos aquela brincadeira nojenta de encher a boca de chips, sempre que temos a chance. E eu estou a um prêmio milionário de colecionar todos os brinquedos dos meus desenhos e jogos favoritos.
Children_of_Color_by_pyromaniac
Children of Color by Pyromaniac
Eu nunca gostei muito de crianças, pelo menos não as crianças que os adultos de hoje influenciam. Crianças falando palavrões, dançando ao som de ‘Show das Poderosas’ e se vestindo como uma das personagens ‘piriguetes’ da novela das 8. Eu nunca notei as crianças que aparecem quando os adultos não estão observando e boicotando.
monster_slumber_party_by_marcobucci-d4f288n
Monster Slumber Party by MarcoBucci
Eis que eu estou jogando no computador com o filho de uma colega de trabalho, não importa o que eu colocasse pra ele jogar, depois da 1° partida ele ficava entediado, até encontrar esse jogo chamado “Truck Loader” onde você basicamente tem que carregar um caminhão com caixas. O jogo não tem competição, seu objetivo não é ganhar de um colega ou derrotar um monstro, é apenas desafiar a si mesmo, pensar em como vencer os obstáculos para chegar ao seu objetivo. Pura estratégia. Então estou eu olhando pra tela que consistia em um caminhão, um imã, uma caixa fora do alcance e outra bem a sua frente. Enquanto eu planejava pegar a caixa a minha frente jogar no caminhão, apertar o botão do elevador e subir rapidamente no mesmo pra chegar até o segundo andar e pegar a outra caixa, e falhava miseravelmente porque cada vez que eu apertava o botão o elevador subia e eu não era rápida o suficiente para chegar até ele antes disso, o tal garotinho de 4 anos, pegou a caixa a sua frente, subiu no elevador, jogou a caixa em cima do botão e subiu. Quando ele chegou lá em cima eu não pude evitar de rir como se eu fosse muito esperta, olhei pra ele e perguntei: “Mas agora se o botão está apertado você vai descer como?” e ele sem nem se incomodar em olhar pra mim, apontou e disse: “o caminhão só quebra se a gente cair em um buraco sem fim ou se o braço de imã ficar preso, não é?”, já me sentindo estúpida, respondi que sim, e então ele sorriu e olhou pra mim dessa vez: “Então eu vou pular com a caixa!”. Uma criança de 4 anos, foi capaz de enxergar os recursos e as oportunidades mais rápido do que eu e assumir riscos que eu não assumiria. Pra ser bem sincera não sabia se dava um abraço nele ou se corria chorar escondida de vergonha. Optei por ficar observando ele chegar ao Level 27 do jogo em 1h e meia, parando apenas porque ele queria que eu ficasse do lado dele dando dicas e eu precisava trabalhar, ainda que a lógica dele fosse melhor que a minha em 90% das vezes, aparentemente enxergar as falhas e acertos nas minhas ações ajudavam ele a pensar adiante, e no fim de cada nível ele dividia a vitória comigo como se eu tivesse sido de grande ajuda.
art_kid_by_danidraws-d4xqi1tArt Kid by danidraws
Chego na casa da minha prima e minha priminha de 6-7 anos, corre me mostrar os progressos dela em Minecraft, e eu que realmente não gosto do jogo, só paro pra prestar atenção quando vejo uma torre enorme e simples bem do lado da casa dela e pergunto o que é. Ela responde como se não fosse grande coisa: “Eu me perco quando saio procurar as coisas, daí eu fiz a torre alta pra saber onde fica minha casa quando eu tô longe.” E isso da mesma criança que um dia me perguntou: “Dry porque você não vai na igreja?” e eu respondi pra ela com toda sinceridade: “Eu acredito em Deus de um jeito diferente do que ensinam na igreja e por isso eu não vou.” e ela disse muito naturalmente: “Ah tá, entendi!”. Nunca mais me perguntou nada, e nunca me tratou diferente por isso. Tão simples explicar pra uma criança, algo que alguns adultos se recusam a entender por mais que você explique por horas.
childhood_dream_by_thesong-d354kdb
Childhood Dream by TheSong
Se me ajudar a deixar fluir um pouco de criatividade, me dar coragem pra assumir riscos e perceber que posso encontrar novamente o caminho de casa se eu decidir explorar lugares distantes e desconhecidos. Se eu puder assistir coisas mais inspiradoras que as tragédias que os jornais reportam e ler sobre aventuras, amor, amizade e descobertas ao invés de “Homens são de marte e Mulheres são de Vênus”, se eu puder continuar acreditando que posso mudar o mundo, eu vou manter pra sempre cada um dos meus hábitos infantis, e nunca vou deixar o mundo dos adultos tirar os sonhos de criança em mim. Se todos pudessem ser adultos sem esquecer o que era incrível sobre ser criança, talvez o mundo fosse um lugar melhor.
imagination_by_uzalen-d4x1r2iImagination by Synpai
Adora Svitak é escritora e blogueira desde os 7 anos de idade, e convida os adultos a aprenderem com as crianças. Segundo ela, os sonhos das crianças merecem altas expectativas e os adultos podem aprender muito com a criatividade e positividade das jovens mentes.

Feliz Dia das Crianças!
Abraço de Urso
Dryka B.

0 comentários:

Postar um comentário



Dryelli, 24 anos, Maringá, PR